Total de visualizações de página

sábado, 12 de outubro de 2013

* O último voo *



Nomeiam-no enfermo,pois alem de cego ainda avistam-no pelos cantos balbuciando em monólogos. 


Aquele andarilho no vão das multidões, despercebido passa, assim como todo frenetismo visceral a fora.

Apoiado num pedaço de pau ,extensão de seu corpo. 

Parado ,apenas... 


Sente...


Sorri e observa a tradução da imagem passada a limpo, o ritmo difuso metropolitano:

a sonoridade dos gestos, das buzinas insistentes, dos motores roncando,das sirenes da polícia,das ambulâncias,das furadeiras arrebentando o asfalto,um cachorro latindo, uma senhora gritando, outra também reclamando: 

-Ainda mato este cão! 


Mas que alvoroço... 

Quem me dera ter pescoço.
Agonizo nestes dias! 

Mas o cego não se engana, sorri, 

sabe da sina. 

Ele segue, depois, num passeio até o parque. 


Entreter-se com os pombos, arremessa farelos, lambuza-se... 

Percebe o som das aves, nota que andam em grupos e disputam as sobras jogadas até saciarem-se. 
Só depois, num gozo gratificante,ele pode enfim escutar o bater das asas,a singularidade de cada voo. 
Apenas uma ave não voa, sozinha, permanece a comer.

-Para onde voam? 

Questiona o cego, inseguro por um momento ... 
Calcula consigo mesmo... 

Depois contorce-se e profere aos interlocutores inexistentes:


-Todos devem abandonar seus fardos, os cadernos de metas do ano de sucesso, 

rasguem todos! Devem fechar também os olhos por um instante e escutar, não se acomodem ao absurdo,de quê adianta tão bons olhos se jaz o peito ainda mudo?
Ouçam! 
Talvez seja só som toda a poesia que aqui reside ...


O último pombo alça voo e o mesmo som se repete num bater de asas.


O cego abaixa a cabeça... 

Ele escuta mais distante o falar tímido e delicado de uma criança, que diz: 

-Veja mamãe, que lindo o pequeno pombo voando para o céu! 


O cego sente quase ver, desnuda-se a poesia. 

Seu coração palpita, não consegue conter o pranto, lágrimas caem. Ele abaixa novamente a cabeça,emudecido, pronunciando consigo mesmo:
-Além do som há os céus! 

11/1O/2O13

Nenhum comentário:

Postar um comentário